segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Sexualidade e Igualdade




A sexualidade humana passou por inúmeras interpretações através dos tempos!

Nas sociedades antigas, como a grega e a egípcia, o ato sexual era sagrado! Enquanto árabes e persas acreditavam que as mulheres traziam doenças e desgraças!

No ocidente, desde a Idade Média o prazer feminino era diabólico, uma manifestação do mal, que resultou na grande dificuldade para a aceitação profissional feminina. Com a chegada dos diferentes cultos, o prazer sexual passou a ser pecaminoso e condenável, mas para ambos os sexos. Pior, a seguir tornou-se uma prática proibida, salvo para a procriação, aliás a única função da mulher!

Em meados do século XX, essas concepções começaram a mudar, na medida em que os povos e as pessoas conquistavam mais direitos e liberdades e as religiões perdiam sua influência.

Na década de 60, com as revoluções sociais: hippies, feminismo, trabalhistas, o ato sexual começou a ser visto como uma manifestação prazerosa.
A mulher, já vinha adquirindo maior controle, inclusive a possibilidade de engravidar ou não. 
E, com a pílula anticoncepcional, o ato sexual deixou de ser visto apenas como indispensável à manutenção da espécie!

No presente, o prazer sexual é aceito livremente como algo saudável e essencial ao pleno desenvolvimento de ambos os sexos! O ápice foi alcançado, quando o ato sexual passou a ser identificado como a representação máxima do AMOR! Começou o respeito mutuo entre os sexos!

Hoje, homens e mulheres, vêm se tornando capazes de adotar essa interpretação na sua vida pessoal e profissional! Por sua vez, o homem passou a valorizar mais a mulher, em direção a sempre almejada igualdade! Enquanto há submissão, é difícil orgasmo compartilhado!

Só o ato sexual com amor, leva à plenitude da cumplicidade entre os sexos! Portanto, a verdadeira igualdade humana só é atingida com a livre entrega sexual!

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Alegres Velhos

Caetano Veloso: um ageless

No livro "A Velhice", Simone de Beauvoir, após descrever o dramático quadro do processo de envelhecimento, aponta um possível caminho para a construção de uma "bela velhice": ter um projeto de vida.
No Brasil, temos vários exemplos de "belos velhos": Caetano Veloso, Gilberto Gil, Ney Matogrosso, Chico Buarque, Marieta Severo, Rita Lee, entre outros.
Duvido que alguém consiga enxergar neles, que já chegaram ou estão chegando aos 70 anos, um retrato negativo do envelhecimento. São típicos exemplos de pessoas chamadas ageless ou sem idade.
Fazem parte de uma geração que não aceitará o imperativo: "Seja um velho!" ou qualquer outro rótulo que sempre contestaram.
São de uma geração que transformou comportamentos e valores de homens e mulheres, que tornou a sexualidade mais livre e prazerosa, que inventou diferentes arranjos amorosos e conjugais, que legitimou novas formas de família e que ampliou as possibilidades de ser mãe, pai, avô e avó.
Esses "belos velhos" inventaram um lugar especial no mundo e se reinventam permanentemente.
Continuam cantando, dançando, criando, amando, brincando, trabalhando, transgredindo tabus etc. Não se aposentaram de si mesmos, recusaram as regras que os obrigariam a se comportarem como velhos. Não se tornaram invisíveis, apagados, infelizes, doentes, deprimidos.
Eles, como tantos outros "belos velhos" que tenho pesquisado, estão rejeitando os estereótipos e criando novas possibilidades e significados para o envelhecimento.
Em 2011, após assistir quatro vezes ao mesmo show de Paul McCartney, perguntei a um amigo de 72 anos: "Por que ele, aos 69 anos, faz um show de quase três horas, cantando, tocando e dançando sem parar, se o público ficaria satisfeito se ele fizesse um show de uma hora?". Ele respondeu sorrindo: "Porque ele tem tesão no que faz".
O título do meu livro "Coroas" é uma forma de militância lúdica na luta contra os preconceitos que cercam o envelhecimento. Tenho investido em revelar aspectos positivos e belos da velhice, sem deixar de discutir os aspectos negativos.
Como diz a música de Arnaldo Antunes, "Que preto, que branco, que índio o quê? Somos o que somos: inclassificáveis". Acredito que podemos ousar um pouco mais e cantar: "Que jovem, que adulto, que velho o quê? Somos o que somos: inclassificáveis". 

Mirian Goldenberg
autora de "Coroas"
Editora Record 

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Dieta Desintoxicante


12 PASSOS E 7 DIAS PARA VOCÊ LIMPAR SEU CORPO!

Quando temos pouco tempo e queremos nos apresentar em nossa melhor forma
Quando queremos perder a barriga e alguns quilinhos
Quando queremos melhorar nossa pele e ganhar mais energia
Nada melhor que seguir a seguinte dieta desintoxicante

Beber muita água

Beber mais chá

Largar o álcool

Fugir das comidas industrializada

Evitar carboidratos refinados

Trocar a carne pelo peixe

Comer mais fibras

Focar na salada

Temperar com azeite de oliva

Encarar mais frutas

Petiscar castanhas

Cortar o mal pela raiz
Elimine totalmente: açúcar, mel, doces, adoçantes (se necessário, optar por sucralose ou estévia), frituras, empados, manteiga, margarina, maionese, leite, creme de leite, refrigerantes, sucos industrializados e café.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Postura e Bem estar




Atualmente nossa postura corporal não tem sido mais vista exclusivamente pelo seu aspecto físico. A medicina e a neurociência chegaram a outras interpretações, que tem aumentado a importância de nossa postura corporal , nas relações entre corpo, emoções e cognição!

Assim uma postura encolhida, cabeça baixa, braços e pernas cruzadas estariam a demonstrar baixa autoestima, falta de entusiasmo (baixa testosterona) e tendência à depressão (excesso de cortisol)

Já, uma postura mais expansiva: pernas e braços esticados, cabeça erguida e peito estufado sugerem tratar-se de uma pessoa mais poderosa (testosterona alta e cortisol baixo). Basta adotarmos essa atitude física, para alterar nosso perfil hormonal.

A grande descoberta é que, mudando nossa postura corporal, mudamos também nossa postura mental e hormonal. Além disso, o que tem surpreendido, é a rapidez com que a mudança da postura produz esses efeitos!

Estique-se, mãos ao alto, fique dois minutos nessa posição!
É o suficiente para ganhar

AUTOESTIMA e SUCESSO



fonte:
Amy Cuddy através de O CORPO NO PODER
Matéria de capa do Suplemento EQUILIBRIO
FOLHA DE SÃO PAULO