segunda-feira, 27 de maio de 2013

Facilite a vida


Facilite a passagem da alegria pela sua vida: sorria mais.
Facilite a passagem da felicidade pela sua vida: pare de reclamar.
Facilite a passagem do amor pela sua vida: ame sem medidas, sem esperar algo em troca.
Facilite a alma, encha-se de oração, trabalho e inspiração.

 

Quem espera que a vida venha repleta de dicas e truques vai ficar esperando. Vai passar pelo tempo e visitar a solidão todos os dias.

Se você conhece alguém que reclama de tudo, veja como é a vida dessa pessoa, quase sempre é só sofrimento e mais lamentação. Então, evite essa esquina perigosa! Afaste-se das reclamações fáceis, das críticas imbecis que só enxergam os defeitos.

Você tem tantas qualidades que ainda nem conseguiu ver todas.

Não espere nada do céu, ainda mais de mão beijada. Olhe para o próprio chão e veja que só as ervas daninhas nascem assim do nada.

Boas frutas e belas plantas requerem plantio, cuidado, atenção e muito trabalho. Então descruze os braços e facilite as coisas para os santos e anjos: trabalhe um pouco mais, e deixe as reclamações para os mais fracos.

Facilite a prosperidade para que ela entre na sua vida. Seja aquele que encara o dia com o desejo de vitória.  Assim, seus sonhos se tornam cada vez mais realidade, e a sua vida, plena de encanto e felicidade.


Paulo Roberto Gaefke

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Brasil sem Miséria


Em 2003, o governo lançou no sul do Estado do Piauí, o Programa Fome Zero. Hoje podemos dizer que o pequeno município conquistou o objetivo, mas continua entre os mais pobres do país. Segundo o IBGE, quase 10% dos moradores deixaram a cidade em busca de emprego.

Seguindo critério internacional, as pessoas que vivem com renda mensal abaixo de R$ 70, consideradas de extrema pobreza, fazem jus a uma renda mensal que, entre nós, pode variar de R$ 70 até R$ 140 mensais.

Após a experiência positiva acima, dando continuidade ao programa, o governo anunciou recentemente a complementação do programa Bolsa Família para incluir outros 2,5 milhões de beneficiários, que permanecem em situação de extrema pobreza. Com essa ampliação do plano que chamou BRASIL SEM MISÉRIA, ele espera tirar um total de 22 milhões de pessoas dessa classificação. Os recursos para a medida somam R$ 733 milhões, cerca de 54% do orçamento federal.

Esses 2,5 milhões de pessoas já estão cadastradas em outros programas sociais, mas, ainda assim, não atingem a meta de renda mínima proposta pelo governo.

Infelizmente ainda existem muitos brasileiros vivendo nessas condições e completamente isolados. É necessário encontrá-los e incluí-los para que recebam os benefícios. O governo está investindo na busca por essas pessoas para que sejam contempladas em programas sociais existentes, como o Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida e Luz para Todos.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, ainda há cerca de 700 mil famílias, não cadastradas em programas sociais e que precisariam ser incluídas. Para isso, torna-se necessária uma busca efetiva. Não podemos esperar que esses humildes brasileiros batam à nossa porta para que nós os encontremos.

Há de se ressaltar que a inscrição nos benefícios sociais citados, são principalmente conferidas à mulher, a grande parceira nacional na erradicação da miséria!
Com o tempo, o programa BRASIL SEM MISÉRIA precisará ser ampliado e incluir escolas, hospitais e emprego para todos!

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Mamãe


minha homenagem


Uma criança pronta para nascer perguntou a Deus:

"Dizem-me que estarei sendo enviado à terra amanhã... Como eu vou viver lá sendo assim pequeno e indefeso?

Deus: "Entre muitos anjos, eu escolhi um especial para
você. Estará lhe esperando e tomará conta de você."

Criança: "Mas diga-me, aqui no Céu eu não faço nada a não ser cantar e sorrir, o que é suficiente para que eu seja feliz. Serei feliz lá?"

Deus: "Seu anjo cantará e sorrirá para você... A cada dia, a cada instante, você sentirá o amor do seu anjo e será feliz."

Criança: "Como poderei entender quando falarem comigo, se eu não conheço a língua que as pessoas falam?"

Deus: "Com muita paciência e carinho, seu anjo lhe ensinará a falar."

Criança: "E o que farei quando eu quiser Te falar?"

Deus: "Seu anjo juntará suas mãos e lhe ensinará a rezar."

Criança: "Eu ouvi que na terra há homens maus. Quem me protegerá?"

Deus: "Seu anjo lhe defenderá... Mesmo que signifique arriscar sua própria vida."

Criança: "Mas eu serei sempre triste porque eu não Te verei mais."

Deus: "Seu anjo sempre lhe falará sobre Mim e lhe ensinará a maneira de vir a Mim, e Eu estarei sempre dentro de você."

Nesse momento havia muita paz no Céu, mas as vozes da terra já podiam ser ouvidas.

A criança, apressada, pediu suavemente: ‘’Oh Deus, se eu estiver a ponto de ir agora, diga-me, por favor, o nome do meu anjo."

Deus:
‘’Você chamará seu anjo de... MÃE!’’

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Um novo dia...


Um novo dia vem raiando com a nova lei do serviço doméstico! Ela vai desencadear mais um momento de profundas transformações sociais, podendo redefinir o estilo e a administração da família brasileira.

Geralmente, as leis são feitas para a rua, isto é, deixam de lado o mundo doméstico.
As leis são feitas para o cidadão em geral, não para o pai de família, nem para a mulher independente ou não, nem para os filhos ou, no caso, para a empregada doméstica.
As leis não são feitas para atingir nossas rotinas.

Mas, a lei das domésticas, atinge diretamente o mundo familiar e doméstico, devendo alterar as nossas tradicionais  atribuições  entre os sexos. Em consequência, mudanças inesperadas deverão ocorrer nessa área. Através da história, a mulher veio sendo mantida reclusa e numa posição de subordinação - pai, irmão, marido, filhos, patrões. Já o homem o elemento dominante, o provedor e  o intermediário com o mundo exterior.

Esses papéis clássicos, após o feminismo, lentamente vêm sendo  menos radicais. Agora, entretanto, terão que ser seriamente analisados, repensados e modificados.

Se o masculino sempre foi considerado como o dominante, a mulher continua a "dona da casa". Os homens nominalmente controlam, em compensação, são severamente cobrados pelo que podem ou não podem "botar" dentro de casa. Todos esperam que ele seja capaz de manter bem a família, todos, especialmente a "dona da casa"!
Essa rígida divisão de funções entre o homem e a mulher tem sido a nossa regra, com raras exceções!  Os homens jamais passam uma camisa, pregam botões ou cuidam dos filhos, das panelas ou dos temperos. Não falo em troca de fraldas ou de mamadeiras, porque cuidar de filhos nunca fez parte dos papéis masculinos.

A lei das domésticas irá exigir profundas adaptações nessa tradicional divisão de serviços. No caso do Brasil, a escalada igualitária da mulher ao mundo profissional, só foi possível com o emprego de outras mulheres para executar os serviços domésticos e maternais. Homens e mulheres são iguais perante a lei e trabalham na mesma repartição, mas, se na rua somos todos iguais, é porque há uma outra mulher fazendo os serviços domésticos, cuidando da casa e das crianças, juntamente com cozinheiras, lavadeiras, passadeiras, arrumadeiras, copeiras e motoristas.

É essa a parte mais difícil para a implantação rigorosa da nova lei. Seu alvo, muito justo, é o trabalho doméstico, mas mexerá com quem faz o que dentro de casa, porque, com certeza, não haverá dinheiro suficiente para continuar mantendo esse exército, com as novas despesas criadas!

Para as famílias das classes A e B, não haverá grandes diferenças. Já as demais classes sociais precisarão mexer na atual estrutura. Com a dispensa das domésticas, todo o trabalho precisará ser redistribuído. As creches, em todos os níveis sociais, precisarão ser duplicadas ou até triplicadas.

Profundas e lentas transformações estão por vir. E um novo dia, uma nova vida deverá surgir, mais humano, mais igualitário, sem cobranças recíprocas, todos responsáveis em direitos e deveres!