segunda-feira, 3 de junho de 2013

Adeus Pobreza

Há mais de dois mil anos, a humanidade tenta reduzir a desigualdade social existente. Não querendo ir além dos nossos tempos, prestamos nossa homenagem aos Irmãos Graco (as Jóias de Cornélia), que, em Roma A. C., foram assassinados como líderes de movimentos que pleiteavam a distribuição de terras públicas aos plebeus sem recursos mínimos.

Embora, através da história, tenham surgido muitos outros grandes idealistas, passaram-se os séculos e nada mudou. O problema da miséria humana só fez aumentar e chegou até nossos dias, disseminada entre todos os povos e continentes, sem distinção.

No Brasil, a situação igualmente persistiu e só passou a ser mais objetivamente estudada, no século passado, a partir de 1990. Seus precursores foram os economistas. Antonio Maria da Silveira e Paul Singer, entre outros, que entretanto, viam o problema apenas sob a ótica do equilíbrio orçamentário.

O Senador Eduardo Suplicy foi sucessor e pioneiro, no Brasil, em considerar o tema como social. Suas ideias sobre a necessidade de uma Renda Mínima resultaram no livro RENDA BÁSICA DE CIDADANIA, de sua autoria e no qual defendia a criação de um Programa de Garantia de Renda Mínima.

A partir daí, essa ideia do social começou a ser difundida e muitos estudos oficiais foram realizados, pelo governo, nas universidades e até na indústria, visando principalmente a ampliação do ensino básico e criar possibilidades para  prosseguir na formação.  

Tais estudos foram úteis a vários setores, resultando inclusive na elaboração do Projeto de Renda Mínima do Senador Eduardo Suplicy, que mais tarde viria a dar origem ao Programa Bolsa-Escola e à Bolsa-Família, que hoje atendem mais de onze milhões de famílias!

Com esses estudos, foram definidas estratégias básicas de política e possibilidade de escolha, pelo povo, de governos capazes de realizá-las. O programa de erradicação da miséria se desenvolveu, cresceu e melhorou! E os resultados começaram a aparecer!!
A escolha de governantes foi importante, devido à dificuldade de execução de tais projetos: é inacreditável a intolerância de grande parte dos cidadão à concessão de benefícios de assistência social e à inclusão dos excluídos.

Hoje em dia, o Programa Brasil sem Miséria, já é uma realidade e tem elevado o nome do BRASIL lá fora. O índice que mede a desigualdade social vem caindo sensivelmente nos últimos dez anos.

Os brasileiros decidiram que o combate à pobreza extrema seria a prioridade e souberam escolher governantes capazes de realizá-la.

O Programa já mostrou que veio para ficar, SITUAÇÃO e OPOSIÇÃO estão bem cientes disso, em virtude dos últimos acontecimentos, quanto à ameaça de sua extinção...

4 comentários:

  1. Olá!! encanta-me seu blog quisesse afiliarlo em meus sites e você enlaça ao mio, se aceita me responde com uma mensagem a emitacat@gmail.com
    beijos!!

    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá Emila, obrigada
      qual é o seu site? você está no facebook?
      Beijos

      Excluir
  2. Muito boa matéria, Chermont!!! Bjks

    ResponderExcluir