segunda-feira, 23 de setembro de 2013

O Sermão da Montanha

Um dia, quando o Filho da Luz andava pelo mundo, chegou até uma montanha nos arredores, sentou-se, olhou em volta, descortinou todo o vilarejo e falou para as pessoas que o seguiam. Todas estavam ansiosas em absorver sua sabedoria. Ele falou lentamente sobre como conseguir uma vida terrena simples, transparente, virtuosa, ser feliz e evoluir.
Estreito é o verdadeiro caminho da vida e raros são os que o seguem. Muitos preferem entrar pela porta larga e seguir o falso caminho espaçoso das facilidades, dos jeitinhos e das corrupções. Não esquecer, entretanto, que existem corruptos e corruptores ambos perigosos. Enfatizou que não basta falar para conseguir, mas é preciso fazer e provar com atos, que comprovem. Precisamos ser seguros e firmes como uma rocha, contra a qual nada podem nem a chuva, nem o vento.
Precisamos descobrir, que não somos só matéria, que existe também, em nós, um lado espiritual, que não conhecemos. Quando o percebemos, inicia-se nossa evolução interior e deixamos de ser exclusivamente matéria e de nos preocupar só com bens terrenos. Passamos a nos interessar também com a riqueza espiritual: amizade, amor, solidariedade, respeito, os sentimentos, as emoções...
Essas descobertas vão se sucedendo e vamos evoluindo cada vez mais. Vamos deixando de ser pobres de espírito e enriquecendo nosso mundo espiritual.
Usou a metáfora do sal e da luz, para enfatizar a importância de separar os bons dos maus. Os comportamentos mostram e divulgam o caminho de cada um, a árvore boa dá bons frutos... Os bons exemplos são como a luz a indicar o caminho. Contra os maus devemos ser como o sal do mundo.
Condenou a ostentação e a soberba: quando dermos esmola, não sair tocando a trombeta. Que nossa mão direita nunca saiba o que faz a esquerda. Tudo que é feito na intimidade, com humildade, tem grande força e poder de atração. Busquemos com simplicidade e conseguiremos. Peçamos humildemente e seremos atendidos.
Condenou aqueles que julgam os outros, mas que não reconhecem os seus próprios erros. Assim como julgamos seremos julgados. Igualmente precisamos perdoar para sermos perdoados. Tudo que queremos que nos façam, devemos fazer primeiro, bem como amar o próximo como a nós mesmos. Nunca devemos nos prevalecer de privilégios. Isso é solidariedade e coerência.
Escrito há mais de 2000 anos, o Sermão da Montanha continua atual. Há nele um sentido muito profundo e ético. Muita coisa foi totalmente absorvida, mas outras sutilezas morais parecem ignoradas em nossos dias. Basta ter olhos "de ver"!
fonte: Bíblia, Mateus 

4 comentários:

  1. Este Sermão é o mais importante da história, Chermont. Na minha opinião, pois é de profunda reflexão...Adorei sua interpretação. Um lindo dia. Bjks

    ResponderExcluir
  2. perfeita observação "Ele falou lentamente sobre como conseguir uma vida terrena simples, transparente, virtuosa, ser feliz e evoluir." abs

    ResponderExcluir