segunda-feira, 18 de agosto de 2014

A Geografia da Obesidade

A humanidade no decorrer da história sempre se preocupou com a alimentação da população mundial, com isso a fome e a subnutrição sempre estiveram presentes na sociedade.
Há tempos passados, a sociedade não tinha como problema a obesidade e sim a subnutrição.
Após o desenvolvimento das técnicas e, posteriormente na década de 70, a tecnologia, a produção de alimentos teve um aumento muito grande e propiciou uma acessibilidade maior das pessoas aos alimentos, além das indústrias que diversificou os tipos de alimentos com vários atrativos de cores e sabores.
Atualmente, o percentual de pessoas obesas igualou, ou até superou, o percentual de pessoas subnutridas, fato que ocorreu pela primeira vez na história da humanidade.
A obesidade é caracterizada pelo acúmulo de gordura, aumentando a massa corpórea, o peso fica acima do ideal, além disso, ela provoca uma disposição maior à doenças, como problemas de coração, diabetes, sem contar que as pessoas obesas têm uma expectativa de vida menor do que um indivíduo de peso normal.

A obesidade no mundo
Na China, o país mais populoso do mundo, estimativas revelam que o percentual de obesos já atingiu 15% da população, enquanto que os subnutridos é de 11%, o agravante é que à medida que diminui o percentual de subnutridos, aumenta o de obesos.
Nos EUA, pesquisas mostram que 30% dos americanos são obesos, mas esse número provavelmente deve ser maior, cerca de 50%, isso porque os americanos têm critérios avaliativos não muito rígidos, diferente dos critérios mais rígidos dos europeus.
Na Europa e Japão a obesidade abrange 20% da população.
No Brasil, a porcentagem de obesos atinge 17% da população adulta, número bastante superior de subnutridos, que é de 4%.
As principais causas da obesidade é o alto consumo de alimentos não saudáveis, sedentarismo e consumo de alimentos industrializados.
A OMS (Organização Mundial de Saúde) criou um termo chamado “globesidade” decorrente das mudanças ocorridas no processo de globalização. Mas esse problema não se restringe aos ricos e a classe média, é também problema dos pobres.
No Brasil, nas duas últimas décadas os brasileiros transformaram os modos alimentares, deixou de lado o tradicional arroz e feijão, para ingerir em suas refeições e lanches (cachorro quente, sanduíches e fast food em geral), esse tipo de alimento é altamente prejudicial à saúde.
Os veículos de comunicação em massa alertam sobre os riscos da obesidade e recomendam uma alimentação balanceada, nas horas certas e a prática de exercícios físicos.
 Geografia Geral - Geografia - Brasil Escola

Um comentário:

  1. Precisamos cuidar muito do nosso corpo, Chermont! Boa matéria. Boa noite. bjks

    ResponderExcluir