segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Aprenda a ter sorte


Nós todos sabemos que pessoas de sorte têm bons relacionamentos, carreiras de sucesso e estão sempre satisfeitas com a sua vida.
Dr. Richard Wiseman descobriu que as pessoas não nascem com sorte.




Mas o que as tornam tão sortudas?

Os resultados de seu trabalho revelaram que as pessoas com sorte tem uma abordagem completamente diferente em relação ao mundo.
Em vez disso, as pessoas afortunadas se comportam de uma forma que cria boa sorte em suas vidas. Percebem as oportunidades que acontecem por acaso, com mais frequência do que as pessoas sem sorte.
Elas também são mais abertas a conhecer novas pessoas e ter novas experiências. Tendem a tomar boas decisões, ouvindo sua intuição. São otimistas e estão certas de que o futuro vai ser cheio de boa sorte. Estas atitudes positivas, também fazem as coisas boas acontecerem.
Elas são boas em lidar com a má sorte e muitas vezes alegram-se imaginando que as coisas poderiam ser piores que são.
ESCOLA DA SORTE
Dr. Wiserman testou suas ideias em uma ESCOLA DA SORTE, onde ele esperava que as pessoas infelizes poderiam aprender a ter sorte.
400 voluntários passaram um mês fazendo exercícios para ajudá-los a pensar e agir como uma pessoa de sorte. Esses exercícios ajudaram os voluntários a identificar oportunidades que acontecem acidentalmente, confiar mais em sua intuição e ter certeza que eles estão indo para a sorte.
Os resultados não foram fáceis mas mostraram que 80% dos voluntários sentiam-se mais felizes e mais satisfeitos com suas vidas e principalmente ficaram mais comunicativos.
As ideias do Dr. Wiseman não vão ajudá-los a ganhar na loteria, mas podem ajudá-los no seu dia-a-dia!

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Louis Ignarro, o "pai do viagra"

Sua receita de saúde.
O médico americano Louis Ignarro71 anos, tem vida regrada e disciplina de monge... Ele sabe o que faz bem para o coração.
É autor de uma série de estudos sobre o óxido nítrico, molécula vasodilatadora, que lhe renderam tanto o Nobel de Medicina em 1998 quanto o apelido de “Pai do Viagra”, já que as ações da molécula foram fundamentais no desenvolvimento do medicamento.
Em visita a São Paulo, Ignarro disse que 90% das doenças cardíacas ocorrem devido a maus hábitos e, apenas, 10% à má genética, ou seja, é preciso agir, conforme o que basicamente consiste em comer bem e praticar exercícios físicos.
“Viajo o mundo todo, quando não tenho tempo de me exercitar em horários normais, acordo às 4 horas da manhã. Se eu não me colocar em primeiro lugar, quem vai fazê-lo? Até três anos atrás, era corredor de maratona (42 km), até meus joelhos dizerem: não mais”.
Para manter o gasto de energia que tinha com as corridas, Ignarro escolheu o ciclismo. A meta é pedalar 200 km por semana, seja ao ar livre, na academia, ou nas aulas de spinning.
Além disso, ele faz 45 minutos de musculação de terça a sexta, e 30 minutos de alongamento diariamente menos às segundas,“dia de descanso”.
Além dos exercícios, Ignarro dorme de seis a sete horas por dia e é fã de produtos naturais. É inclusive, garoto-propaganda da empresa Herbalife.
O café da manhã, aliás, é um shake de proteína, ao qual ele adiciona um monte de frutas, leite de soja e gelo.
“Isso me deixa saciado até a hora do almoço”.
Como boa parte dos americanos, principalmente os moradores da Califórnia, como ele, Ignarro não faz do almoço a principal refeição do dia, lugar ocupado pelo jantar. No almoço, iogurte e frutas; às vezes, ovos. No jantar, salada ou legumes cozidos, temperados com azeite de oliva ou trufado, uma carne, peixe ao menos duas vezes por semana e massa integral. Ignarro toma dois copos de vinho tinto por dia, por causa da propriedade antioxidante.
“Se fosse magrinho, acrescentaria oleaginosas à minha dieta: (nozes, amêndoas, castanha-do-pará, avelã e macadâmia). Quando me dá vontade de comer doce, dou preferência ao chocolate com 70% de cacau.”

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

A "Invasão dos Marcianos"

No dia 30 de outubro de 1938, um programa de rádio, simulando uma invasão extraterrestre desencadeou pânico na costa leste dos Estados Unidos. 


Parecia uma noite normal até que a rede de
rádio CBS interrompeu sua programação musical para noticiar uma suposta invasão de marcianos.

A notícia, na verdade, era o começo de uma peça de radio-teatro, que não só ajudou a CBS a bater a concorrência, como desencadeou pânico em várias cidades norte-americanas.
 “A invasão dos marcianos" durou apenas uma hora, mas marcou definitivamente a história do rádio.
Dramatizando o livro de ficção científica A Guerra dos Mundos, do escritor inglês George Wells, o programa relatou a chegada de centenas de marcianos a bordo de naves extraterrestres à cidade de Grover's Mill, no estado de Nova Jersey.
Os méritos da genial adaptação é de Orson Welles ator e diretor de cinema norte-americano
O jornal Daily News resumiu, na manchete do dia seguinte, a reação ao programa como um pânico coletivo: "Guerra falsa no rádio espalha terror pelos Estados Unidos".
A dramatização, transmitida às vésperas do Halloween, em forma de programa jornalístico, tinha todas as características do radio jornalismo da época, às quais os ouvintes estavam acostumados.
Reportagens externas, entrevistas com testemunhas que estariam vivenciando o acontecimento, opiniões de peritos e autoridades, efeitos sonoros, sons ambientes, gritos, a emoção dos supostos repórteres e comentaristas.
Tudo dava impressão de o fato estar sendo transmitido ao vivo. Era o 17º programa da série semanal de adaptações radiofônicas realizadas por ORSON WELLES, no Radio Teatro Mercury.
A CBS calculou, na época, que o programa foi ouvido por cerca de seis milhões de pessoas, das quais metade o sintonizou quando já havia começado.
Dessas, meio milhão teve certeza de que o perigo era iminente, entrando em pânico, sobrecarregando linhas telefônicas, com aglomerações nas ruas e congestionamentos apavorados tentando fugir.
O medo paralisou três cidades e houve pânico principalmente em localidades próximas  a Nova Jersey onde Welles ambientou sua história.
Houve fuga em massa e reações desesperadas de moradores também em Nova York.
A peça radiofônica, de autoria de Howard Koch, com a colaboração de Paul Stewart e baseada na obra de Wells (1866-1946), ficou conhecida também como "rádio do pânico".
Segundo cientistas da comunicação,  a invasão dos marcianos tornou Orson Welles mundialmente famoso. Além disso a obra é considerada o programa que marcou a história da mídia no século 20.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Conspiração Espiritual


Na superfície da Terra, exatamente agora, há guerra, violência, tudo parece negro.
Mas, simultaneamente, algo silencioso, calmo e oculto está acontecendo. Muitas pessoas estão sendo chamadas por uma luz mais elevada.
Uma revolução silenciosa está se instalando de dentro para fora, de baixo para cima.  É uma operação global. É uma conspiração espiritual! Há células dessa operação em cada nação do planeta.
Vocês não vão nos assistir na TV. Nem ler sobre nós nos jornais.
Nem ouvir nos rádios. Não buscamos a glória e nem usamos uniformes.
Nós chegamos de diversas formas e de diferentes tamanhos.
Temos costumes e cores diferentes. A maioria trabalha anonimamente. Silenciosamente. Fora de cena. Em toda cultura do mundo. 
Você talvez cruze conosco nas ruas e nem perceba... Seguimos disfarçados, ficamos por trás dos eventos. E não nos importamos com quem ganha os louros do resultado, e sim que se realize o trabalho. 
De vez enquanto nos encontramos pelas ruas. Trocamos olhares de reconhecimento e seguimos nosso caminho.
Durante o dia muitos se disfarçam em seus empregos normais.
Mas é à noite, por trás de nossas aparências, que o verdadeiro trabalho se inicia. Alguns nos chamam de Exército da Consciência.
Vamos seguindo com alegria e paixão. Lentamente estamos construindo um novo mundo. Com o poder de nossos corações e mentes. 
As ordens nos chegam da Inteligência Espiritual Central.  Em todos os lugares, estamos jogando Bombas Suaves de Amor, sem que ninguém note.
São poemas, abraços, músicas, fotos, filmes, palavras carinhosas, sorrisos, meditações, preces, amizades desinteressadas, danças, ativismo social, sites, blogs, atos de bondade...
Expressamo-nos de uma forma única e pessoal, com nossos talentos e dons, sendo a mudança que queremos ver no mundo. Essa é a força que move nossos corações. Sabemos que essa é a única forma de conseguir realizar a verdadeira transformação. Sabemos que no silêncio e na humildade temos o poder de todos os oceanos juntos. Nosso trabalho é lento e meticuloso, como na formação das montanhas.
O AMOR SERÁ A RELIGIÃO DO FUTURO.
Sem pré-requisitos ou grau de educação. Sem requisitar nenhum conhecimento excepcional para sua compreensão, porque nasce da inteligência do coração, escondida pela eternidade, no espírito revolucionário de todo ser humano. 
Seja também a mudança que você quer ver acontecer no mundo. Ninguém pode fazer esse trabalho por você. Nós estamos recrutando... Talvez você se junte a nós. Ou talvez já tenha se unido e nem saiba! 
TODOS SÃO BEM-VINDOS! A PORTA ESTÁ ABERTA.

Este texto é assinado por um jovem que responde pelo apelido de Sensi Peter.
O original em inglês pode ser encontrado em:

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

As muitas idades da alma


Vivemos todos em dois tempos: o tempo cronológico, e o tempo da alma, o tempo subjetivo.
O tempo cronológico é um só, e caminha em uma só direção: do passado para o futuro, inexoravelmente.
Mas o tempo da alma circula; vai para trás, para frente, para os lados...
De manhã, acordando de uma noite mal dormida, tenho cem anos.
Mais tarde, depois de um bom café, já remocei um pouco.
Minha jovem vizinha comenta comigo no elevador que uma senhora amiga dela tem muita dificuldade com o computador, coitada, não é como “nós”!
Pronto, já fiquei com quarenta anos. E um pouco culpada, pela falta de solidariedade com a senhora do computador.
Ouço uma música do “meu tempo”; tenho quinze anos.
Brinco com a minha neta: oito anos.
Um rapaz de cinquenta me pede um conselho: volto a ter uns sábios sessenta..
E assim vamos, dia a dia, passeando por todas essas idades. Ainda bem!
Mas não é fácil acostumar com a idade cronológica, em parte devido a essa grande variação nas idades da alma..
A pessoa que nos olha do espelho pode ter uma quantidade enorme de rugas e papadas e manchas num dia, e no outro ser uma jovem alegre e disposta.
Fica difícil entender que a idade cronológica é sempre a mesma. Como assim? Eu ontem estava muito mais velha que hoje!
Há dez anos atrás eu estava mais velha do que hoje!
Geralmente a gente sente a idade da alma “por dentro”: quando eu tinha dez anos, queria chegar logo aos quinze; “por dentro” eu já tinha quinze, e as constrições da minha parca idade me incomodavam demais!
Depois, quando fui chegando aos cinquenta “cronológicos", “por dentro” ainda era uma moça de trinta e o número cinquenta me parecia incrivelmente excessivo!
Nossa idade subjetiva torna a vida muito mais alegre e divertida.
Reconhecer que a alma tem muitas idades e poder passear por todas elas, nos liberta, gera bom humor e sabedoria para lidar com as limitações da idade cronológica. 

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Aprender a envelhecer

ENVELHECER É UMA PRÊMIO

A pessoa envelhece como viveu...
Aquelas que conseguiram levar uma vida gratificante, costumam aceitar as mudanças de idade com maior naturalidade.
Agora, aquelas que tem conflitos mal resolvidos, frustrações não superadas ou cultivou relações complicadas ao longo dos anos, terá mais dificuldade no momento de envelhecer.
Nesses casos, a falta de atividade se converte em uma espécie de detonador.
Mas é possível superar essas “pendências” por meio do trabalho e dos compromissos diários. Embora, não seja possível fazer grandes mudanças na rotina.
ócio, então, coloca em primeiro plano as insatisfações e as frustrações.
A situação também se torna especialmente difícil para as pessoas que foram muito ativas e valorizaram demais seu trabalho, isolando-se de familiares e de amigos, fechando-se em um pequeno círculo.
Para esses, envelhecer é como morrer em vida. Principalmente se não cultivaram nenhuma atividade como lazer.
Aqueles ao seu redor veem a difícil situação dessas pessoas e experimentam sentimentos contraditórios.
Sentem um pouco de culpa ao presenciar a triste condição e, ao mesmo tempo, sentem frustração por não poder ajudá-los de uma forma mais efetiva.
Veem a vida como uma fatalidade inexorável, como uma decadência progressiva, imposta pela natureza.

Envelhecer é normal.
Sentir-se útil e capaz é o grande segredo.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Êxodo


de Jair Lisboa
A sociedade se cobre com o seu manto de egoísmo, se enriquece com todo seu ouro de tolo, onde o tempo mostrará o seu julgo.
Seguem com suas batalhas capitalistas, sem abrirem os olhos para a solidariedade, pois a crise espiritual é muito maior que qualquer crise financeira.
A gentileza agoniza por toda humanidade, países soberano ignoram até as lágrimas de uma criança, o universo chora procurando respostas, e para todos aqueles que se acham poderosos.
O vento que sopra a sua calmaria, também mostrará a sua tempestade.
O silêncio se perde em cada grito de um gatilho. A guerra social está estampada em cada olhar, mas a viseira mentirosa segue com seus vídeos manipuladores.
É preciso desnudar a alma para devastar tanta ganância, resgatar o amor humano em cada um de nós. Não pedimos para nascer, tão pouco para morrer, apenas ter a dignidade de viver.
As lágrimas ecoam por todo esse mundo mal amado, os nossos mares querem sentir o velejo de um barquinho de papel colocado por uma criança, e não o óbito de mais um sonho inocente.
E para todas as nações digam não a mediocridade de seus aristocratas, e aceitem o êxodo de um sorriso, para que todos os corações sintam a miscigenação do verdadeiro amor, percorrer por todos olhares em um arco-íris, pois fazemos parte de uma única raça, a humana!

LISBOA
escritor e poeta natural de Salvador-Bahia
Recanto das Letras - Jair Lisboa

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Escolhas de uma vida


A certa altura de um filme, o personagem interpretado por Woody Allen diz: "Nós somos a soma das nossas decisões". Essa frase acomodou-se na minha massa cinzenta e de lá nunca mais saiu.
Compartilho do ceticismo de Allen: a gente é o que a gente escolhe ser, o destino pouco tem a ver com isso.
Desde pequenos aprendemos que, ao fazer uma opção, estamos descartando outras e de opção em opção vamos tecendo essa teia que se convencionou chamar "minha vida".
Não é tarefa fácil. No momento em que se escolhe ser médico, se está abrindo mão de ser piloto de avião. Ao optar pela vida de atriz, será quase impossível conciliar com a arquitetura.
No amor, a mesma coisa: namora-se um, outro, e mais outro, num excitante vaivém de romances.
Até que chega um momento em que é preciso decidir entre passar o resto da vida sem compromisso formal com alguém, apenas vivenciando amores e deixando-os ir embora quando se findam, ou casar e, através do casamento, fundar uma microempresa, com direito a casa própria, orçamento doméstico e responsabilidades.
As duas opções têm seus prós e seus contras: viver sem laços e viver com laços...
Escolha: beber até cair ou virar vegetariano e budista?
Todas as alternativas são válidas, mas há um preço a pagar por elas.
Quem dera pudéssemos ser uma pessoa diferente a cada 6 meses.
Ser casados de segunda a sexta e solteiros nos finais de semana; ter filhos quando se está bem-disposto e não tê-los quando se está cansado.
Por isso é tão importante o autoconhecimento.
Por isso é necessário ler muito, ouvir os outros, estagiar em várias tribos, prestar atenção ao que acontece em volta e não cultivar preconceitos.
Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas, elas têm que refletir o que a gente é. Lógico que se deve reavaliar decisões e trocar de caminho: Ninguém é o mesmo para sempre.
Mas que essas mudanças de rota venham para acrescentar, e não para anular a vivência do caminho anteriormente percorrido.
A estrada é longa e o tempo é curto. Não deixe de fazer nada que queira, mas tenha responsabilidade e maturidade para arcar com as consequências destas ações.
Lembrem-se: suas escolhas têm 50% de chance de dar certo, mas também 50% de chance de dar errado.
A escolha é sua


Pedro Bial

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

A Zona de Conforto

A zona de conforto pode ser sedutora, irresistível mas desastrosa. Pode ser definida como a tendência a fazer só o que é fácil, cômodo e conhecido.

A palavra conforto está associada a um estado prazeroso de harmonia física e mental. Mas entregar-se a zona de conforto dificulta a luta contra ciclos viciosos e improdutivos que travam o sucesso e, principalmente, o início de algo novo, que demanda autodisciplina, motivação e compromisso.
É a tendência de evitar o medo, a ansiedade ou algum tipo de desgaste. Tende-se a ficar num território onde pode-se predizer e controlar os acontecimentos. Território que pode garantir um desempenho constante, porém limitado e com uma falsa sensação de segurança.
As causas mais frequentes que levam a deixar a ação e preferir a zona de conforto são:
  • Preguiça: Que faz o indivíduo sentir muito cansaço, falta de energia, apatia, desinteresse, depressão, ansiedade, culpa, desmotivação ou tudo ao mesmo tempo.
  • Orgulho: Quando não se sente necessidade de aprender ou de aprimorar-se, pois acha-se pronto e perfeito.
  • Medo: Quando tem receio de enfrentar os próprios medos, o desconhecido e as incertezas do que pode acontecer.
  • Miopia: Quando não se têm claras as consequências das atitudes e comportamentos na vida, ficando num estado letárgico e aparentemente confortável.

O desperdício do próprio talento é uma espécie de auto sabotagem. Apesar de ter muito potencial, não consegue coloca-lo em ação e vencer. Sua carreira não avança, fica estagnada.
Permanecer na zona de conforto, além desses prejuízos citados, pode acarretar prejuízos à saúde  do corpo e da mente, pois impede o auto desenvolvimento, que está ligado a aprender, a mudar o comportamento, a evoluir e a buscar novos sucessos.
Para finalizar, algumas DICAS para não ficar acomodado na zona de conforto e ser ativo, realizado, equilibrado e bem-sucedido:
  • Sonhe grande.
  • Seja muito interessado e comprometido com tudo que fizer.
  • Seja curioso, nunca pare de buscar novidades.
  • Leia muito.
  • Faça parte de alguma entidade na sua área.
  • Fique completamente fluente em inglês e espanhol.
  • Pratique exercícios, esporte, caminhadas.
  • Faça trabalhos voluntários.
  • Administre seu tempo e sua energia com sabedoria e firmeza.
  • Tenha lazer saudável e gratificante.


Sandra Betti

quinta-feira, 30 de julho de 2015

A nova doença de nosso tempo

Uma doença, conhecida como CONSUMISMO, está aumentando dia a dia, atingindo, sem distinção, homens, mulheres, jovens, adultos e até idosos.
Ir às compras para se animar sempre que se sente deprimido pode ser o início. Em geral, ela começa com a compra de pequenos itens pessoais, peças íntimas, mas logo evolui para todo tipo de compras, chegando até às compras desnecessárias e fora de seu poder aquisitivo.
Depois de comprar de uma só vez dez pares de sapatos, uma jovem descobriu que o costume de excesso de compras lhe desenvolveu uma obsessão, que a deixou totalmente endividada.
O consumismo vem se generalizando com o aumento das ofertas, o uso indiscriminado dos cartões e às facilidades para sua obtenção nas modalidades de cartões de crédito e cartões de loja.
Para muitos, os cartões são os maiores responsáveis. Retirara-los pode ajudar, mas, para os consumistas graves, a necessidade de comprar vai continuar. O consumismo não é facilmente curável.
Ele pode converter-se em um grave vício, cuja cura só será conseguida com tratamento especializado, da mesma forma como são tratados os viciados em drogas e os alcoólatras.
Precisamos ficar atentos contra esse perigo silencioso que facilmente pode nos envolver

COMO EVITA-LO? - DEPENDERÁ DE NOSSO AUTOCONTROLE!

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Envelhecimento Ativo


A velhice é uma conquista. Antigamente, as pessoas não passavam dos 50 anos. Hoje está todo mundo chegando aos 80 anos ou mais.
O conceito de envelhecimento ativo foi instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e é uma forma de dizer que a pessoa envelheceu bem, ou seja, que ela manteve a capacidade de resolver a sua vida de forma independente e autônoma.
Ser ativo é ser capaz de realizar atividades cotidianas (como cuidar de si, da casa, das finanças e trabalhar), recreativas e esportivas. Ser independente é realizar tudo isso sem ajuda de outros.
Já a autonomia é um conceito mais amplo no qual, além de independência, o indivíduo mantém a saúde mental. É ele quem decide quando, onde e como fazer alguma coisa.
Além de ser ativo fisicamente, você precisa ser ativo intelectualmente e, neste caso, envolve a memória. Toda a sua inserção no mundo passa pela sua cognição, então, é importante preservar sua função mental.
O segredo é, além da genética, atividades físicas, mentais e intelectuais. Ler, receber e reter novas informações e estímulos ajudam a manter a cabeça em dia.
A pessoa não pode se acomodar. Muitas vezes, a própria família começa a fazer as coisas, no intuito de ajudar. Isso faz com que ela se torne cada vez mais dependente. Uma boa meta é manter-se no controle de suas decisões. E, ao encontrar alguma dificuldade, pedir ajuda para superá-la.
A OMS, há alguns anos, lançou um projeto para convencer as cidades do mundo a pensarem como “amigas do idoso”, ou seja,  implementar ações e estruturas para tornar a vida do idoso mais fácil.
O projeto da OMS “Cidade amiga do idoso” é eminentemente político e um alerta para que os municípios implementem melhorias. A cidade de São Paulo, por exemplo, implantou as praças de exercícios. Isso foi uma opção importante, mas que poderia ser melhor desenvolvida. A outra questão importante é da acessibilidade. Pelo menos os prédios públicos deveriam ser mais acessíveis. É muito comum você chegar em um lugar onde tem que subir uma escada, sem rampas ou elevadores que facilitem a vida de quem tem problema de mobilidade.
A pessoa deve procurar, levando em conta suas condições e limitações, manter uma atividade física diária, além das tarefas normais. Ter meia hora por dia para caminhar com o objetivo de se manter saudável. Essa meia hora diária faz toda a diferença.
Para isso deve haver mais educação. Nós estamos saindo daquele velho preconceito de que o Brasil é uma sociedade jovem e que os velhos são exceção.
Ao contrário, os velhos são a população que mais cresce no país. O jovem tem que aprender que, na melhor das hipóteses, ele vai ficar velho. Então, vai querer o respeito que talvez não esteja oferecendo aos idosos hoje.
É necessário educação nas escolas e a promoção do contato entre as gerações em centros de convivência. Os jovens precisam aprender que, primeiro, ser velho não é ser decrépito e, segundo, que o melhor que pode acontecer na suas vidas é ficar velho. A outra alternativa é morrer cedo.
Mas, para que esta conquista possa ser aproveitada, as pessoas têm que começar a se cuidar precocemente. Não adianta chegar aos 70 anos e agora pensar “bom, agora eu vou me cuidar”. Não vai dar certo.

Para chegar bem, tem que haver planejamento.
Dr. Luiz Roberto Ramos
Geriatra e Diretor do Centro de Estudos do Envelhecimento da Unífesp

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Frida Kahlo


Frida Kahlo nasceu em Coyoacán, México, em 1907.
Quando ela tinha 6 anos de idade, ela contraiu poliomielite e passou nove meses confinada ao seu quarto. Como resultado, sua perna direita ficou muito magra e a fez andar de uma maneira estranha.
Quando ela tinha 18 anos, ela ficou gravemente ferida em um acidente entre um bonde e um ônibus; um corrimão de metal perfurou seu corpo. Ao longo dos anos, ela sofreu 32 grandes operações e enorme dor pelo resto de sua vida.
Ela se casou com o famoso pintor muralista Diego Rivera, quando ela tinha 20 anos. Ele tinha 42 e já tinha sido casado duas vezes. Eles tiveram uma relação tempestuosa. Seu marido foi muitas vezes infiel e Frida também teve casos extraconjugais, inclusive um com Leon Trotsky.
Em 1939, Frida e Diego tiveram um processo de divórcio, mas o casal se casou novamente em dezembro de 1940.
Em 1946, ela fez uma cirurgia em sua espinha, e em 1953 sua perna direita foi amputada abaixo do joelho.
Frida nunca foi capaz de ter filhos.
Ela disse:
"Minha pintura carrega dentro de si a mensagem da dor!"
"Pinto a mim mesma, porque sou sozinha e porque sou o assunto que conheço melhor."
"E a sensação de dor nunca me deixou, e meu corpo carrega em si todas as chagas do mundo."
"Pés, para que os quero se tenho asas para voar."

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Show da vida


de JAIR LISBOA

O amanhecer ergue mais um palco,
o sol abre as cortinas para você brilhar.
A plateia está repleta de flores,
os melhores sentimentos lhe aguardam com ansiedade,
o primeiro degrau é o primeiro passo para o sucesso.

Na realidade a vida não é um teatro,
mas é preciso viver cada peça nessa caminhada.
Se produza em cada trilha,
seja nas lágrimas ou em um sorriso,
você é o autor principal de sua vida.

Tá na hora do show,
portanto atue os seus sonhos,
cante diante de um belo luar,
dance com a esperança e
mostre toda magia dentro de ti.

Para amar não precisa de ensaios,
a vida é uma eterna arte.
Viva os pequenos detalhes e
simplesmente faça o melhor show da sua vida. 

JAIR LISBOA
escritor e poeta natural de Salvador-Bahia
Recanto das Letras - Jair Lisboa

segunda-feira, 1 de junho de 2015

A Ganância


GANÂNCIA é um sentimento humano que se caracteriza pela vontade exagerada de ter riquezas materiais e dinheiro, muito dinheiro.
É um desejo excessivo de ter posses, de possuir para si próprio tudo o que deseja a qualquer custo, sem considerar os meios de obter o que se quer, mesmo que seja prejudicando os outros.
Além disto, a ganância geralmente vem acompanhada da sede de poder e de uma ambição desmedida! As pessoas que a sentem são egoístas, e agem de acordo com estes sentimentos. Perdem totalmente o respeito por si e, principalmente, pelos outros. Fazem qualquer coisa a qualquer custo para saciar seus desejos.
Este é o momento em que ela cai nas garras da corrupção e seus desejos falam ainda mais alto. É quando a pessoa perde todo senso do que é honesto, ético, perde toda a sua dignidade e age como um criminoso.
O que estas pessoas escolheram ser? O que há dentro delas? Deixam de ser humanas, perdem a alma! São dominadas por uma sombra profunda, um monstro medonho, com garras e dentes afiados! E, então, são capazes de gerar até a miséria social, econômica e política de um país.
A ganância insaciável é um dos mais tristes fenômenos que conseguem causar a destruição da vida, de qualquer ser humano, sem exceção. Perdem a lucidez, ficam desumanos, roubam, mentem, matam com a maior naturalidade.
Feliz é o homem que sabe desenvolver seu potencial humano e ético. Só assim pode levar uma vida digna e honesta, para si mesmo e para os outros.
Bem aventurados aqueles que sabem valorizar o que têm. Conhecem a própria riqueza espiritual, e a dos outros, afastando-se da ganância, do sofrimento e do crime.
(Desconheço o autor)

Mahatma Gandhi
já dizia

“Cada dia a natureza produz o suficiente para satisfazer nossa carência. Se cada um se satisfizesse apenas o que lhe fosse necessário, não haveria pobreza no mundo e ninguém morreria de fome.”