segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Conspiração Espiritual


Na superfície da Terra, exatamente agora, há guerra, violência, tudo parece negro.
Mas, simultaneamente, algo silencioso, calmo e oculto está acontecendo. Muitas pessoas estão sendo chamadas por uma luz mais elevada.
Uma revolução silenciosa está se instalando de dentro para fora, de baixo para cima.  É uma operação global. É uma conspiração espiritual! Há células dessa operação em cada nação do planeta.
Vocês não vão nos assistir na TV. Nem ler sobre nós nos jornais.
Nem ouvir nos rádios. Não buscamos a glória e nem usamos uniformes.
Nós chegamos de diversas formas e de diferentes tamanhos.
Temos costumes e cores diferentes. A maioria trabalha anonimamente. Silenciosamente. Fora de cena. Em toda cultura do mundo. 
Você talvez cruze conosco nas ruas e nem perceba... Seguimos disfarçados, ficamos por trás dos eventos. E não nos importamos com quem ganha os louros do resultado, e sim que se realize o trabalho. 
De vez enquanto nos encontramos pelas ruas. Trocamos olhares de reconhecimento e seguimos nosso caminho.
Durante o dia muitos se disfarçam em seus empregos normais.
Mas é à noite, por trás de nossas aparências, que o verdadeiro trabalho se inicia. Alguns nos chamam de Exército da Consciência.
Vamos seguindo com alegria e paixão. Lentamente estamos construindo um novo mundo. Com o poder de nossos corações e mentes. 
As ordens nos chegam da Inteligência Espiritual Central.  Em todos os lugares, estamos jogando Bombas Suaves de Amor, sem que ninguém note.
São poemas, abraços, músicas, fotos, filmes, palavras carinhosas, sorrisos, meditações, preces, amizades desinteressadas, danças, ativismo social, sites, blogs, atos de bondade...
Expressamo-nos de uma forma única e pessoal, com nossos talentos e dons, sendo a mudança que queremos ver no mundo. Essa é a força que move nossos corações. Sabemos que essa é a única forma de conseguir realizar a verdadeira transformação. Sabemos que no silêncio e na humildade temos o poder de todos os oceanos juntos. Nosso trabalho é lento e meticuloso, como na formação das montanhas.
O AMOR SERÁ A RELIGIÃO DO FUTURO.
Sem pré-requisitos ou grau de educação. Sem requisitar nenhum conhecimento excepcional para sua compreensão, porque nasce da inteligência do coração, escondida pela eternidade, no espírito revolucionário de todo ser humano. 
Seja também a mudança que você quer ver acontecer no mundo. Ninguém pode fazer esse trabalho por você. Nós estamos recrutando... Talvez você se junte a nós. Ou talvez já tenha se unido e nem saiba! 
TODOS SÃO BEM-VINDOS! A PORTA ESTÁ ABERTA.

Este texto é assinado por um jovem que responde pelo apelido de Sensi Peter.
O original em inglês pode ser encontrado em:

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

As muitas idades da alma


Vivemos todos em dois tempos: o tempo cronológico, e o tempo da alma, o tempo subjetivo.
O tempo cronológico é um só, e caminha em uma só direção: do passado para o futuro, inexoravelmente.
Mas o tempo da alma circula; vai para trás, para frente, para os lados...
De manhã, acordando de uma noite mal dormida, tenho cem anos.
Mais tarde, depois de um bom café, já remocei um pouco.
Minha jovem vizinha comenta comigo no elevador que uma senhora amiga dela tem muita dificuldade com o computador, coitada, não é como “nós”!
Pronto, já fiquei com quarenta anos. E um pouco culpada, pela falta de solidariedade com a senhora do computador.
Ouço uma música do “meu tempo”; tenho quinze anos.
Brinco com a minha neta: oito anos.
Um rapaz de cinquenta me pede um conselho: volto a ter uns sábios sessenta..
E assim vamos, dia a dia, passeando por todas essas idades. Ainda bem!
Mas não é fácil acostumar com a idade cronológica, em parte devido a essa grande variação nas idades da alma..
A pessoa que nos olha do espelho pode ter uma quantidade enorme de rugas e papadas e manchas num dia, e no outro ser uma jovem alegre e disposta.
Fica difícil entender que a idade cronológica é sempre a mesma. Como assim? Eu ontem estava muito mais velha que hoje!
Há dez anos atrás eu estava mais velha do que hoje!
Geralmente a gente sente a idade da alma “por dentro”: quando eu tinha dez anos, queria chegar logo aos quinze; “por dentro” eu já tinha quinze, e as constrições da minha parca idade me incomodavam demais!
Depois, quando fui chegando aos cinquenta “cronológicos", “por dentro” ainda era uma moça de trinta e o número cinquenta me parecia incrivelmente excessivo!
Nossa idade subjetiva torna a vida muito mais alegre e divertida.
Reconhecer que a alma tem muitas idades e poder passear por todas elas, nos liberta, gera bom humor e sabedoria para lidar com as limitações da idade cronológica.